Veja os longas dirigidos por mulheres que já disputaram o Oscar de melhor filme

Você sabia que nos 91 anos de existência do Oscar, apenas 13 filmes dirigidos por mulheres foram indicados ao troféu principal? E que apenas um deles foi premiado com a estatueta?

Leia também: Veja todas as mulheres que já foram indicadas ao Oscar de direção
Saiba mais: Veja todas as diretoras que já concorreram ao Oscar de filme estrangeiro
Apoie: Colabore mensalmente com o Mulher no Cinema e acesse conteúdo exclusivo

Mulher no Cinema relembra abaixo todos os longas-metragens dirigidos ou codirigidos por mulheres que já concorreram na categoria. Confira:


Oscar 1987 (vencido por Platoon, de Oliver Stone)

“Filhos do Silêncio” – [Children of a Lesser God, EUA, 1986]
Dirigido por Randa Haines, acompanha a relação do professor de uma escola para surdos com a zeladora que em certo momento deixou de falar. Marlee Matlin ganhou o Oscar de melhor atriz pelo filme, que também foi indicado aos prêmios de ator (William Hurt), atriz coadjuvante (Piper Laurie) e roteiro adaptado.


Oscar 1991 (vencido por Dança com Lobos, de Kevin Costner)

“Tempo de Despertar” – [Awakenings, EUA, 1990]
O longa de Penny Marshall é inspirado nas memórias de Oliver Sacks (1933-2015). Robin Williams interpreta o médico Malcolm Sayer, que usa um novo medicamento para “acordar” pacientes catatônicos, um deles interpretado por Robert De Niro, indicado a melhor ator. O filme também disputou o Oscar de roteiro adaptado.


Oscar 1992 (vencido por O Silêncio dos Inocentes, de Jonathan Demme)

“O Príncipe das Marés” – [The Prince of Tides, EUA, 1991]
Barbra Streisand dirige e atua no longa sobre um homem que se relaciona com a psiquiatra de sua irmã, que cometeu suicídio. Além do Oscar de melhor filme, também disputou os prêmios de ator (Nick Nolte), atriz coadjuvante (Kate Nelligan), roteiro adaptado, direção de fotografia, direção de arte e trilha sonora.


Oscar 1994 (vencido por A Lista de Schindler, de Steven Spielberg)

“O Piano” – [The Piano, Nova Zelândia/Austrália/França, 1993]
Dirigido por Jane Campion, conta a história de uma mulher muda que nos anos 1850 é enviada à Nova Zelândia para um casamento arranjado. Ganhou três Oscar: atriz (Holly Hunter), atriz coadjuvante (Anna Paquin) e roteiro original (Campion). Além de melhor filme, disputou direção, direção de fotografia, figurino e edição.


Oscar 2004 (vencido por O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei, de Peter Jackson)

“Encontros e Desencontros” – [Lost in Translation, EUA/Japão, 2003]
Uma viagem a Tóquio une os caminhos de dois americanos solitários: um desanimado ator de meia-idade e uma jovem mulher cujo marido está sempre ausente. Sofia Coppola ganhou o Oscar de roteiro original e foi indicada ao de direção. O filme também recebeu uma quarta indicação: a de Bill Murray para o prêmio de ator.


Oscar 2007 (vencido por Os Infiltrados, de Martin Scorsese)

“Pequena Miss Sunshine” – [Little Miss Sunshine, EUA, 2006]
Uma família cheia de problemas faz uma viagem para levar a caçula à final de um concurso de beleza. Dirigido por Valerie Faris e Jonathan Dayton, ganhou dois Oscar: o de roteiro original e o de ator coadjuvante para Alan Arkin. Além de melhor filme, disputou o prêmio de atriz coadjuvante (Abigail Breslin).


Oscar 2010 (vencido por Guerra ao Terror, de Kathryn Bigelow)

“Guerra ao Terror” – [The Hurt Locker, EUA, 2008]
Único filme dirigido por uma mulher a ganhar o Oscar principal, também fez de Kathryn Bigelow a primeira e única mulher a receber o prêmio de direção. O filme acompanha soldados americanos que desarmam bombas no Iraque. Ganhou mais quatro estatuetas (roteiro original, edição, mixagem e edição de som) e também disputou fotografia, trilha e ator (Jeremy Renner).

“Educação” – [An Education, Reino Unido/EUA, 2009]
A diretora Lone Scherfig retrata o processo de amadurecimento de uma jovem que vive no subúrbio de Londres dos anos 1960 e, um dia, se apaixona por um homem mais velho. Além de disputar o Oscar de melhor filme, Educação também foi indicado aos prêmios de melhor atriz (Carey Mulligan) e melhor roteiro adaptado.


Oscar 2011 (vencido por O Discurso do Rei, de Tom Hooper)

“Minhas Mães e Meu Pai” – [The Kids are All Right, EUA, 2010]
Jules e Nic são casadas e vivem em Los Angeles com os filhos Joni e Laser, concebidos por inseminação artificial. Um dia, eles decidem conhecer Paul, o doador de esperma. Dirigido por Lisa Cholodenko, disputou o Oscar nas categorias de melhor filme, roteiro original, atriz (Annette Bening) e ator coadjuvante (Mark Ruffalo).

“Inverno da Alma” – [Winter’s Bone, EUA, 2010]
Jennifer Lawrence recebeu a primeira indicação ao Oscar pelo papel de Ree, adolescente que cuida da mãe e dos irmãos e sai em busca do pai traficante para conseguir manter a casa da família. Também foi indicado nas categorias de roteiro adaptado e ator coadjuvante (John Hawkes). Dirigido por Debra Granik.


Oscar 2013 (vencido por Argo, de Ben Affleck)

“A Hora Mais Escura” – [Zero Dark Thirty, EUA, 2012]
Dirigido por Kathryn Bigelow, põe o foco em uma agente da CIA para narrar a caça do governo americano ao líder da Al-Qaeda, Osama Bin Laden, e a operação que culminou em sua morte em 2011. Ganhou o Oscar de edição de som e também disputou atriz (Jessica Chastain), roteiro original e edição.


Oscar 2015 (vencido por Birdman, de Alejandro G. Iñárritu)

“Selma – Uma Luta Pela Igualdade” – [Selma, Reino Unido/EUA, 2014]
A diretora Ava DuVernay retrata a histórica marcha realizada em 1965 entre as cidades de Selma e Montgomery, no estado americano do Alabama. Liderada por Martin Luther King (David Oyelowo), a marcha exigiu o reconhecimento do direito da população negra ao voto. Ganhou o Oscar na categoria canção original.


Oscar 2018 (vencido por A Forma da Água, de Guillermo Del Toro)

“Lady Bird: A Hora de Voar” – [Lady Bird, EUA, 2017]
Primeiro filme solo da atriz e roteirista Greta Gerwig como diretora, narra um ano na vida de uma adolescente que vive em Sacramento, na Califórnia. Gerwig disputou direção e roteiro adaptado, e o filme também recebeu indicações nas categorias de atriz (Saoirse Ronan) e atriz coadjuvante (Laurie Metcalf).


Luísa Pécora é jornalista, criadora e editora do Mulher no Cinema

Deixe um comentário

Top