Haifaa Al Mansour: “É uma boa época para ser cineasta na Arábia Saudita”

Quando Haifaa Al Mansour filmou O Sonho de Wadjda, o primeiro longa-metragem dirigido por uma mulher na Arábia Saudita, suas circunstâncias de trabalho ganharam repercussão internacional. O ano era 2011 e o número de salas de cinema no país era zero. No set, Al Mansour tinha de seguir as mesmas regras e leis que regiam os demais espaços da sociedade

Katie Found sobre “Meu Primeiro Verão”: “É uma carta de amor às conexões queer”

A diretora australiana Katie Found encontrou na internet o impulso que faltava para realizar seu primeiro longa-metragem, Meu Primeiro Verão. Na ocasião, ela buscava o que definiu como "um bom filme queer", capaz de "expressar a conexão queer de forma autêntica e bonita". Diante da dificuldade de encontrar o que queria, decidiu que era hora de colocar no papel -

Festival de Curtas exibe filmes indígenas e brasileira premiada em Cannes

Duzentos filmes de quase 40 países estão na programação do Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo, também conhecido como Curta Kinoforum, que realiza sua 32ª edição entre os dias 19 a 29 de agosto. Todas as sessões do Festival de Curtas são gratuitas e online, pelo site oficial. Leia também: Diretoras recomendam documentários nacionais dirigidos por mulheres Apoie: Colabore com o Mulher no

Renata Pinheiro retrata contexto brasileiro em “Carro Rei”: “É um filme do caos”

Não são poucos os temas que Renata Pinheiro aborda em seu novo longa-metragem, Carro Rei, que faz sua estreia nacional na competição do Festival de Gramado. Selecionado também para o Festival de Roterdã, o filme toca em questões como o domínio da indústria automobilística, o embate entre homens e máquinas, o impacto da tecnologia e das fake news, o descaso

Cristiane Oliveira fala sobre inspirações e bastidores de “A Primeira Morte de Joana”

Depois de estrear no longa-metragem com o premiado Mulher do Pai, a diretora Cristiane Oliveira volta a fazer um belo retrato de uma menina em um momento de transformação em A Primeira Morte de Joana, filme que tem sua primeira exibição brasileira nesta terça-feira (17) na competição nacional do Festival de Gramado. É, também, uma nova reflexão da diretora sobre

“O Novelo”: Diretora e roteirista falam sobre filme que estreia em Gramado

É apropriado que a primeira exibição de O Novelo, longa-metragem dirigido por Claudia Pinheiro, aconteça no Festival de Cinema de Gramado. De certa forma, foi no evento gaúcho que o filme, uma adaptação da peça homônima de Nanna de Castro, começou a tomar forma - ao menos no que diz respeito ao elenco. Leia também: Como assistir aos filmes dirigidos por

Claire Denis: Ouça a playlist com músicas que tocaram nos filmes da diretora

Música e dança são parte fundamental do cinema da diretora francesa Claire Denis, que tem como uma de suas marcas registradas o modo único de retratar corpos em movimento na tela. Mais música: Ouça a playlist com músicas dos filmes de Sofia Coppola Apoie: Colabore com o Mulher no Cinema e acesse conteúdo exclusivo Momentos musicais marcantes estão em vários de seus filmes: do

5 filmes dirigidos por mulheres para ver no streaming em agosto

Todos os meses o Mulher no Cinema publica uma lista com dicas de filmes dirigidos por mulheres que você pode assistir online, em plataformas de streaming como Netflix, Amazon Prime Video, HBO Max, Now, Telecine, Mubi, Belas à La Carte, Supo Mungam Plus, Globoplay, Reserva Imovision, entre outras. Streaming: 4 filmes para conhecer atrizes e diretoras de origem chinesa Apoie: Colabore com o Mulher no Cinema

Lucia Murat: “Acredito realmente que este horror vai terminar”

Mais de trinta anos separam Que Bom Te Ver Viva, o primeiro longa-metragem da cineasta Lucia Murat, de Ana. Sem título, o décimo terceiro, em cartaz nos cinemas de Brasília, Fortaleza, Niterói, Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador. Mas os dois filmes têm mais em comum do que a diretora: ambos navegam entre a ficção e o

Conheça Camilla Rocha Campos, criadora das performances de “Ana. Sem título”

Criar a obra e o posicionamento político de uma artista brasileira, negra, perseguida pela ditadura militar - e fictícia. Esta foi a missão de Camilla Rocha Campos em Ana. Sem título, filme da diretora Lucia Murat que está em cartaz nos cinemas de Brasília, Fortaleza, Niterói, Porto Alegre, Rio de Janeiro, São Paulo e Salvador. Lucia Murat: "Acredito realmente que

Top