Mulheres no Oscar: conheça as diretoras que concorrem a filme internacional

Aquecendo os motores para o Oscar 2021, que ocorre em 25 de abril, o Mulher no Cinema publica, diariamente, breves perfis de todas as profissionais indicadas em cada uma das categorias. Leia também: Como assistir aos filmes indicados ao Oscar 2021 Saiba mais: Veja todas as mulheres que já disputaram o Oscar de direção Apoie: Colabore com o Mulher no Cinema e acesse conteúdo exclusivo Já falamos sobre as concorrentes aos prêmios

Diretoras de Tunísia e Bósnia e Herzegovina disputam o Oscar de filme internacional

Dois longas dirigidos por mulheres estão entre os cinco indicados ao Oscar de melhor filme internacional, categoria antes conhecida como “melhor filme estrangeiro”. São eles Quo Vadis, Aida?, de Jasmila Žbanić (Bósnia e Herzegovina); e O Homem que Vendeu sua Pele, de Kaouther Ben Hania (Tunísia). Esta é a primeira vez desde 2007 que mais de um filme dirigido por mulher disputa

Cinco diretoras avançam na disputa pelo Oscar de filme internacional

Cinco longas dirigidos por mulheres estão entre os 15 semifinalistas que seguem na disputa pelo Oscar de melhor filme internacional, categoria antes conhecida como “melhor filme estrangeiro”. O candidato do Brasil - Babenco – Alguém Tem de Ouvir o Coração e Dizer: Parou, de Bárbara Paz - não ficou entre os selecionados. Os filmes de diretoras que seguem na disputa são

Mulheres dirigiram 35,4% dos candidatos ao Oscar de filme internacional

Mulheres dirigiram 33 dos 93 longas que concorrem a uma indicação ao Oscar de melhor filme internacional, categoria que antes era conhecida como “melhor filme estrangeiro”. O índice de concorrentes dirigidos por mulheres é de 35,4%, de acordo com levantamento feito pelo Mulher no Cinema a partir da lista divulgada pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, responsável pela entrega da estatueta. Entrevista:

Bárbara Paz sobre “Babenco”, candidato do Brasil ao Oscar: “Fiz um filme de amor”

Carta de amor, poema visual, filme-despedida. Estas são algumas das definições dadas por Bárbara Paz a Babenco – Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou, premiado documentário que está em cartaz nos cinemas e vai representar o Brasil na busca por uma indicação ao Oscar de filme internacional. As definições da diretora apontam para o caráter extremamente pessoal

Dirigido por Bárbara Paz, “Babenco” é o candidato do Brasil ao Oscar

Dirigido por Bárbara Paz, Babenco – Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou será o candidato do Brasil a uma indicação ao Oscar de filme internacional em 2021. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (18) pela Academia Brasileira de Cinema, responsável pela decisão desde 2017. Entrevista: “Sempre haverá um jeito de fazer cinema”, diz Sandra Kogut Saiba mais: Todas as mulheres que disputaram o

Filme da diretora Malgorzata Szumowska vai representar a Polônia no Oscar

A Polônia tornou-se o primeiro país a indicar seu representante na disputa por uma indicação ao Oscar de filme internacional de 2021. E o escolhido foi um longa codirigido por mulher: Never Gonna Snow Again, de Malgorzata Szumowska e Michal Englert, que fará sua estreia mundial em setembro no Festival de Veneza. Leia também: Os longas dirigidos por mulheres que disputaram o Oscar

Tamara Kotevska: conheça a única mulher indicada ao Oscar de filme internacional

Aquecendo os motores para o Oscar 2020, que ocorre em 9 de fevereiro, o Mulher no Cinema vai publicar, diariamente, um breve perfil de todas as profissionais indicadas em cada uma das categorias. Oscar 2020: Confira a lista completa com todas as mulheres indicadas Apoie: Colabore com o Mulher no Cinema e acesse conteúdo exclusivo Já falamos sobre as mulheres que concorrem a melhor filme, atriz, atriz coadjuvante, roteiro original, roteiro adaptado, animação e

Duas diretoras seguem na disputa pelo Oscar de filme internacional

Apenas dois longas dirigidos por mulheres estão entre os dez semifinalistas que seguem na disputa pelo Oscar de melhor filme internacional, novo nome da categoria que antes era conhecida como "melhor filme estrangeiro". São eles Atlantique, de Mati Diop, representando o Senegal; e Honeyland, de Tamara Kotevska e Ljubo Stefanov, representando a Macedônia do Norte. Saiba mais: Veja as diretoras que já concorreram ao Oscar de

Top