Marília Rocha fala sobre os bastidores e o feminismo de “A Cidade Onde Envelheço”

"Longa feminino vence Festival de Brasília". Foi com este título que um jornal brasileiro noticiou os quatro prêmios recebidos por A Cidade Onde Envelheço, filme dirigido por Marília Rocha, em um dos mais importantes eventos cinematográficos do País. Não ficou claro se o adjetivo feminino fez referência às protagonistas mulheres, à cineasta mulher ou às duas coisas. Mas foi uma escolha peculiar em

Virginia Cavendish fala sobre “Através da Sombra” e vantagens de ser produtora

O diretor Walter Lima Jr. trabalhava com Virginia Cavendish no teatro quando propôs um novo projeto: uma peça inspirada em A Volta do Parafuso, obra lançada pelo escritor britânico Henry James em 1898. Ela gostou da ideia, mas achava que a adaptação deveria ser para as telas, e não para os palcos. Como atriz, ela queria voltar a fazer cinema. Como produtora,

Joana Mariani: “O documentário dirige você, e não o contrário”

A diretora Joana Mariani estava em uma emissora de televisão concedendo sua primeira entrevista sobre o filme Marias, que está em cartaz no Brasil. Ao ouvir uma das perguntas, não conseguiu evitar o que chamou de "cara estranha": "Qual vai ser seu próximo documentário?" A cara estranha se explica: foram seis anos de trabalho para lançar Marias, filme que acompanha diferentes celebrações de Nossa

Bette Gordon fala sobre “Variety” e desigualdade “abominável” na direção

Não é difícil entender porque Variety, o segundo longa-metragem da cineasta americana Bette Gordon, tornou-se um marco do cinema feminista quando chegou às telas, em 1983. Ao contar a história de Christine, funcionária de uma sala pornô que passa a seguir e observar um cliente de forma obsessiva, o filme ofereceu algo inovador: o ponto de vista de uma mulher

Marina Person: “Cada filme dirigido por uma mulher abre caminho para outra”

Desde que o público conheceu Marina Person, em meados da década de 1990, seu nome sempre esteve associado ao cinema. Primeiro, como filha de cineastas e apresentadora do Cine MTV; depois, à frente de outros programas na TV e no rádio; e finalmente como diretora, após o lançamento de Califórnia (2015), seu primeiro longa-metragem de ficção. Agora, a ideia é estreitar os laços

Emilia Ferreira fala sobre estreia na direção e equipe de mulheres

Treze anos após se mudar para os Estados Unidos, a diretora mineira Emilia Ferreira volta ao Brasil para mostrar seu primeiro longa-metragem, Entrelinhas. O filme, que está na competição da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo, é o resultado da vontade de fazer cinema que começou em Belo Horizonte, mas floresceu no exterior. "É um pouco a coisa do sonho americano", explica a

Anna Muylaert: “Sofri muitos boicotes e rasteiras machistas”

  Sucesso de bilheteria, prêmios internacionais, pré-indicação ao Oscar, convite para integrar a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood. Um ano depois da estreia de Que Horas Ela Volta?, uma coisa é certa: tanto no Brasil quanto no mundo, hoje muito mais gente conhece Anna Muylaert. Há quase três décadas trabalhando com cinema, a diretora sabe que nada aconteceu de repente. Mas

Top