#52FilmsByWomen de junho: Marcia Tambutti Allende, Taryn Brumfitt, Anita Leandro, Mary Mazzio

Esse quarto mês da campanha #52FilmsByWomen foi dedicado ao documentário, gênero que para mim está se tornando cada vez mais acessível (menos entediante, eu diria). Vi filmes feitos por uma chilena, uma australiana, uma brasileira e uma norte-americana. Não sei se é uma impressão apenas minha, a partir dos filmes que ando vendo, mas sinto que as mulheres documentaristas mexem com

#52FilmsByWomen de maio: Teresa Villaverde, Anocha Suwichakornpong, Moufida Tlatli, Mia Hansen-Løve, Joanna Coates

Maio foi um mês imenso, que só acabou agora, quando o Festival de Cannes enfim concedeu o prêmio de direção a uma mulher, após 56 anos: Sofia Coppola ganhou por O Estranho que Nós Amamos, um dos filmes que mais quero ver nesse ano. Maio também foi o mês em que adicionamos cinco filmes feitos por diretoras à campanha #52FilmsByWomen. O primeiro visto

#52FilmsByWomen – abril: Ildikó Enyedi, Paz Fábrega, Paula Sacchetta, Khadija al-Salami

Ao aderir à campanha #52FilmsByWomen, tive a ideia de buscar filmes dirigidos por mulheres que estivessem mais distantes da cinematografia com a qual estou mais acostumada. Quero fugir um pouco do cinema americano ou francês, por exemplo, para conhecer outras culturas e diferentes visões. Em fevereiro deste ano, a diretora húngara Ildikó Enyedi venceu o Urso de Ouro, principal prêmio do Festival de Berlim,

#52FilmsByWomen de março: Salomé Lamas, Maren Ade, Marília Rocha, Valérie Donzelli

Março foi o primeiro mês da campanha #52FilmsByWomen aqui no Mulher no Cinema. Para quem chegou agora, eu, Letícia Mendes, topei fazer parte desta iniciativa mundial e vou assistir a um filme dirigido por mulher por semana durante um ano - totalizando 52 títulos e dividindo a experiência com vocês, leitores. Após termos iniciado a campanha com a portuguesa Salomé Lamas e seu "Eldorado XXI" (foto

Começando meu #52FilmsByWomen com Salomé Lamas

Sinto-me imensamente honrada em participar da campanha #52FilmsByWomen para o Mulher no Cinema, à convite da Luísa Pécora. Ainda mais depois da amiga Beatriz Macruz, que também tanto entende do assunto e luta pela divulgação de filmes que merecem ser vistos e falados. Como jornalista, sempre me interessei mais em entrevistar atrizes do que atores, cantoras do que cantores, escritoras do que

Top