Gabriela Amaral Almeida: “A perseguição vai gerar muita narrativa”

Menos de um ano após estrear no longa-metragem com o ótimo O Animal Cordial (2018), a diretora Gabriela Amaral Almeida está de volta aos cinemas com A Sombra do Pai. Este segundo projeto foi, na verdade, o primeiro a ser escrito pela cineasta, que idealizou o filme em 2009 e o desenvolveu ao longo de anos, em paralelo a seus curtas-metragens e aos roteiros que

“A Sombra do Pai” explora horror e luto no cotidiano de família pobre brasileira

Personagens que perdem a humanidade em meio a questões sociais brasileiras parecem ser a ideia de horror de Gabriela Amaral Almeida. Após O Animal Cordial (2018), a diretora e roteirista volta aos cinemas nesta quinta-feira (2) com A Sombra do Pai. E se no primeiro filme uma tentativa de assalto transforma um restaurante paulistano em microcosmo do país, também o

Com sustos e humor, “Nós” reflete sobre o horror que vem de dentro

Uma garota assiste a um comercial de televisão na primeira cena de Nós, novo trabalho do diretor Jordan Peele após o sucesso de Corra! (2017). O ano é 1986 e o anúncio é da iniciativa beneficente Hands Across America, segundo a qual 6 milhões de americanos dariam as mãos para formar uma linha humana de uma ponta dos Estados Unidos

Gabriela Amaral Almeida escolhe filmes de horror dirigidos por mulheres

Com estreia marcada para 9 de agosto, o terror O Animal Cordial é o primeiro longa-metragem da diretora e roteirista Gabriela Amaral Almeida, realizadora de curtas como Uma Primavera (2011) e A Mão que Afaga (2012). Leia também: 5 filmes de terror dirigidos por mulher para ver na Netflix Gabriela também é mestre em literatura e cinema de horror pela Universidade Federal

Top