5 filmes de diretoras para ver no streaming em julho

Todos os meses o Mulher no Cinema publica uma lista com dicas de filmes dirigidos por mulheres que você pode assistir online, em plataformas como Netflix, Amazon Prime Video, HBO Go, Now, Telecine, Belas à La Carte, Google Play, iTunes e YouTube, entre outras.

Leia também: Dicas de filmes sobre mulheres que lutam por mudança
Apoie: 
Colabore com o Mulher no Cinema e tenha acesso a conteúdo exclusivo
#52FilmsByWomen: 
Apoie as mulheres do cinema vendo um filme por semana

São títulos de diferentes gêneros, que mostram a variedade do trabalho das mulheres no cinema e ajudam nos dias em que a vontade de ver um filme é grande, mas a inspiração não vem.

Veja o que assistir no streaming em julho:


“Atleta A”
[Athlete A, EUA, 2020]
Disponível na Netflix

Mais de 150 mulheres, várias delas menores de idade, revelaram ter sido abusadas sexualmente por Larry Nassar enquanto ele trabalhava como médico da seleção de ginástica americana e dava aulas na Universidade Estadual de Michigan. Este documentário entrevista algumas das vítimas, como as ginastas Maggie Nichols e Rachael Joy Denhollander, e jornalistas do Indianapolis Star, primeiros a reportar sobre o caso. A direção é de Bonni Cohen e Jon Shenk, de Audrie & Daisy (2016) e Uma Verdade Mais Inconveniente (2017).


“Encontros e Desencontros”
[Lost in Translation, EUA/Japão, 2003]
Disponível no Google Play, iTunesLooke, NetflixTelecine

Uma viagem a Tóquio une os caminhos de dois americanos solitários: um desanimado ator de meia-idade e uma jovem mulher cujo marido está sempre ausente. Escrito e dirigido por Sofia Coppola, que ganhou o Oscar de roteiro original e foi indicada ao de direçãoEncontros e Desencontros também recebeu indicações na categorias de melhor filme e melhor ator (para Bill Murray).


“A Hora da Estrela”
[Brasil, 1985]
Disponível no Spcine Play

Adaptação da obra de Clarice Lispector (1920-1977), acompanha a vida de Macabéa, jovem que muda do Nordeste para o Sudeste, trabalha como datilógrafa e sonha com o amor. Este é o primeiro longa-metragem da diretora Suzana Amaral, que morreu no mês passado, e que também escreveu o roteiro em parceria com Alfred Oroz. A bem-sucedida trajetória do longa incluiu três prêmios no Festival de Berlim, incluindo o de atriz para Marcélia Cartaxo, e seis troféus no Festival de Brasília, incluindo filme e direção para Amaral.


“Minha Vida no Cairo”
[Cairo Time, Canadá/Irlanda/Egito, 2009]
Disponível no Amazon Prime Video

Juliette (Patricia Clarkson) viaja dos Estados Unidos ao Egito para visitar o marido, que trabalha para a Organização das Nações Unidas (ONU). No entanto, compromissos profissionais o deixam em Gaza por mais tempo do que o esperado. Sozinha no Cairo, Juliette conta com a companhia de Tareq (Alexander Siddig), ex-colega de trabalho do marido. Escrito e dirigido por Ruba Nadda.


“SLAM: Voz de Levante”
[Brasil, 2017]

Disponível na plataforma Filme Filme

O documentário de Tatiana Lohmann e Roberta Estrela D’Alva acompanha o crescimento no Brasil dos Poetry Slams, campeonatos performáticos de poesia falada que nasceram em Chicago. O filme também viaja aos Estados Unidos para narrar a origem do movimento e acompanha Luz Ribeiro, campeã brasileira de 2016, na Copa do Mundo de Slam em Paris. Leia a entrevista com as diretoras


Luísa Pécora é jornalista e criadora do Mulher no Cinema

Top