10 filmes para conhecer o cinema de Agnès Varda

Nome fundamental da nouvelle vague, cineasta influente na ficção e no documentário, única mulher a ganhar a Palma de Ouro honorária, primeira diretora a ganhar o Oscar pelo conjunto da obra. Estes são apenas algumas das muitas formas de tentar definir a carreira da belga Agnès Varda (1928-2019)

Leia também: Morre Agnès Varda, cineasta influente e pioneira da nouvelle vague
Vídeo: Veja o discurso de Agnès Varda ao receber o Oscar honorário – na íntegra e com tradução

Saiba mais: Agnès Varda fala sobre seus filmes favoritos no acervo da Criterion Collection

Mas o que pode definir melhor o trabalho da cineasta do que seus próprios filmes? O Mulher no Cinema reuniu dez longas-metragens que marcaram seus mais de 60 anos de carreira. E se estes dez títulos não bastam para resumir uma produção tão vasta, funcionam como uma bela porta de entrada para quem quer conhecer a obra de uma das mais importantes artistas da história do cinema. Confira:


“La Pointe Courte” – [França, 1954]
Um jovem casal visita a vila litorânea de La Pointe Courte, na França, enquanto tenta resolver os seus problemas e lidar com as mudanças que afeta o relacionamento. Aclamado como um dos precursores da nouvelle vague, um dos mais importantes movimentos cinematográficos.


“Cléo das 5 às 7” – [Cléo de 5 à 7, França, 1962]
Seriamente preocupada com a possibilidade de ter câncer, a cantora Cléo aguarda o resultado de uma biópsia. Durante duas horas, das cinco da tarde às sete da noite, ela anda pelas ruas de Paris, conversa em cafés e tenta encontrar algum tipo de paz antes de buscar os exames. Estrelado por Corinne Marchand.


“As Duas Faces da Felicidade” – [Le bonheur, França, 1965]
François é um jovem carpinteiro que parece levar uma vida perfeita ao lado da mulher e dos filhos. Seus dias se dividem entre o trabalho na marcenaria, piqueniques no campo e momentos tranquilos em casa. Mas tudo muda quando ele conhece Emilie, uma funcionária dos correios.


“Uma Canta, a Outra Não” – [L’Une Chante, L’autre pas, França, 1977]
Na Paris dos anos 1960, duas mulheres se tornam amigas: Pomme, aspirante a cantora, e Suzanne, que está grávida e não tem condições de ter um terceiro filho. Pomme empresta a Suzanne o dinheiro para um aborto ilegal e as duas perdem contato. Uma década depois, elas se encontram em uma manifestação.


“Os Renegados” – [Sans toit ni loi, França, 1985]
Durante um rigoroso inverno, o corpo de uma jovem é encontrado congelado em um fosso no sul da França. Por meio de flashbacks e entrevistas, o filme revela os eventos que levaram à trágica morte da garota. Ganhador do Leão de Ouro no Festival de Veneza. Estrelado pela atriz Sandrine Bonnaire.


“Jane B. por Agnès V.” – [Jane B. par Agnès V., França, 1987]
Distanciando-se do formato tradicional das cinebiografias, a diretora constrói Jane B. por Agnès V. como um caleidoscópico de momentos diversos. Nestes fragmentos, a atriz, cantora e ícone fashion Jane Birkin, na época completando 40 anos, interpreta diferentes personagens e, também, a si mesma.


“Jacquot de Nantes” – [França, 1991]
Uma evocação à infância do diretor e roteirista francês Jacques Demy (1931-1990), com quem Agnès Varda foi casada durante quase três décadas. O filme mostra o fascínio do jovem Demy pelo espetáculo, as descobertas do contato com a primeira câmera e sua vocação para o cinema e os musicais.


“Os Catadores e Eu” – [Les glaneurs et la glaneuse, França, 2000]
Neste documentário, Varda compõe um retrato da sociedade francesa viajando pelo país para entrevistar e retratar a vida de diferentes tipos de catadores – dos que trabalham no campo retirando o que sobrou após a colheita aos que atuam nas ruas de Paris em busca do que foi descartado por outras pessoas.


“As Praias de Agnès” – [Les plages d’Agnès, França, 2008]
Uma autobiografia de Agnès Varda no momento em que ela completa 80 anos. A diretora conta sua história e explora suas memórias usando uma variedade de materiais e formatos: fotografias, cenas de filmes, entrevistas, encenações e mais. Premiado como melhor documentário no César.


“Visages, Villages” – [França, 2017]
Varda e JR têm em comum a paixão por imagens e o questionamento sobre como são compartilhadas. Agnès escolheu o cinema; JR, criar galerias ao ar livre. A bordo de um caminhão fotográfico, eles viajam pela França fazendo retratos e ouvindo histórias. Indicado ao Oscar de documentário.


Luísa Pécora é jornalista e criadora do Mulher no Cinema.

Deixe um comentário

Top