Filme dirigido por Bárbara Paz ganha dois prêmios no Festival de Veneza

Dirigido por Bárbara Paz, Babenco – Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou ganhou neste sábado (7) o prêmio de melhor documentário sobre cinema no Festival de Veneza. O filme também já tinha conquistado o Prêmio da Crítica Independente na sexta-feira (6).

Leia também: Presidente do júri de Veneza, Lucrecia Martel defende cotas para mulheres
Saiba mais: Os principais prêmios que mulheres ganharam na história de Veneza
Entrevista: “A pobreza do cinema latino é não representar a sociedade”, diz Lucrecia Martel

Primeiro longa de Bárbara, que também é conhecida pela carreira de atriz, o documentário traça um paralelo entre a arte e a doença do cineasta Hector Babenco (1946-2016), que teve câncer pela primeira vez aos 38 anos e morreu aos 70. No filme, o diretor fala sobre seus medos, ansiedades e memórias.

O prêmio de melhor documentário foi como parte da mostra Venice Classics, que reúne filmes sobre cinema. No palco de Veneza, Bárbara fez uma referência às ameaças do presidente Jair Bolsonaro em controlar a produção nacional, dizendo: “Não à censura e vida longa à liberdade de expressão.”

Na competição principal, o único prêmio entregue a uma mulher foi o de melhor atriz para Ariane Ascaride, de Gloria Mundi. Entre os 21 filmes concorrendo, apenas dois eram dirigidos por mulheres, e o grande vencedor foi Coringa, de Todd Phillips. O Prêmio do Júri foi para J’accuse, de Roman Polanski.

Em entrevista coletiva na abertura do festival, a presidente do júri Lucrecia Martel disse que veria o filme de Polanski, mas não participaria do jantar de gala em sua homenagem. O cineasta polonês é foragido da justiça americana após ter sido condenado, em 1978, pelo estupro de uma menina de 13 anos. Na premiação deste sábado, quem recebeu o prêmio em nome de Polanski foi a atriz Emmanuelle Seigner, que é casada com ele.

Veja as mulheres premiadas no Festival de Veneza deste ano:

Competição principal
Ariane Ascaride, por Gloria Mundi

Mostra Horizonte
Melhor atriz: Marta Nieto, por Madre
Melhor roteiro: Revenir, escrito por Jessica Palud, Philippe Lioret, Diasteme

Venice VR (Realidade Virtual)
Melhor filme: The Key, de Celine Tricart

Venice Classics
Melhor documentário: Babenco – Alguém Tem que Ouvir o Coração e Dizer: Parou, de Bárbara Paz

Deixe um comentário

Top