Guia de Cannes: os filmes dirigidos por mulheres que estão no festival

Anos e anos de baixa representação feminina acabaram transformando o Festival de Cannes em um importante palco internacional para as discussões sobre a igualdade de gênero no cinema. Não deve ser diferente na atual edição, que começa nesta quarta-feira (17) e tem apenas três filmes dirigidos por mulheres entre os 19 que disputam a Palma de Ouro. O número é similar ao

Apenas três diretoras competirão pela Palma de Ouro em Cannes

Mulheres dirigiram apenas três dos 18 filmes que estarão na competição principal do Festival de Cannes deste ano, que ocorre de 17 a 28 de maio. São eles: O Estranho que Nós Amamos, de Sofia Coppola; Radiance, de Naomi Kawase; e You Were Never Really Here, de Lynne Ramsay, que ainda está em fase de finalização. É mais um ano de baixa presença feminina na

Rapidinhas: as novas de Liz Garbus, Julia Roberts e mais

+ Liz Garbus pode fazer sua estreia no longa de ficção. A diretora de documentários como What Happened, Miss Simone? e The Farm negocia com a Amazon para dirigir Lost Girls. Baseado no livro de Robert Kolker, o filme é centrado em uma mãe que busca a filha desaparecida em Long Island, nos EUA. Via Hollywood Reporter + Naomi Kawase será a presidente

Veja o curta-metragem “Seed”, dirigido por Naomi Kawase

Já falamos algumas vezes sobre o projeto "Women's Tales", ou Contos de Mulheres, uma série de curtas dirigidos por mulheres patrocinada pela marca de roupas Miu Miu. O programa começou em 2012 e já teve 11 curtas produzidos. O mais recente é "Seed", da japonesa Naomi Kawase, a história de uma garota que deixa a natureza de Nara pelo caos de

Estreias da semana: as mulheres que chegam às salas do Brasil

Toda semana o Mulher no Cinema lista os filmes dirigidos, escritos e/ou centrados em mulheres que estreiam nos cinemas brasileiros. Veja as estreias desta quinta-feira, 3 de dezembro. "À Beira Mar" [By the Sea, EUA, 2015] Escrito, dirigido e estrelado por Angelina Jolie, que interpreta Vanessa, uma ex-bailarina casada com o escritor Roland (Brad Pitt). Ambientado nos anos 1970, o filme acompanha a forte crise na

Top