Proibido pelo governo do Quênia, “Rafiki” retrata amor entre jovens mulheres

Segundo longa da diretora Wanuri Kahiu, Rafiki chega à Mostra Internacional de Cinema em São Paulo depois de tornar-se o primeiro filme queniano selecionado para o Festival de Cannes. Ser exibido em seu próprio país, porém, não foi nada fácil: Rafiki foi banido pelo governo "por sua temática homossexual e clara intenção em promover o lesbianismo no Quênia". Saiba mais: Veja todos

Top