5 filmes para ver no Festival Varilux de Cinema Francês

Mais de 80 cidades brasileiras recebem a programação do Festival Varilux de Cinema Francês a partir desta quinta-feira (6). Maior mostra de filmes franceses fora da própria França, o Varilux fica em cartaz até 19 de junho e espera cruzar a marca de um milhão de espectadores.

Apoie: Colabore com o Mulher no Cinema e acesse conteúdo exclusivo

O Mulher no Cinema separou cinco filmes dirigidos ou estrelados por mulheres para quem pretende aproveitar a programação do Varilux. Para consultar os locais e horários de exibição, bem como a lista de cidades participantes, acesse o site do festival.


“Boas Intenções” – [Les Bonnes Intentions, França, 2018]
Muito envolvida em uma série de trabalhos humanitários e causas sociais, Isabelle atua como professora de francês em um centro para refugiados. Ao descobrir que seus alunos precisam tirar a habilitação, ela decide ajudá-los a passar na prova, ao mesmo tempo em que sua família reivindica mais atenção. Estrelado por Agnès Jaoui, o filme foi escrito por Léonore Confino em parceria com o diretor Gilles Legrand.


“Filhas do Sol” – [Les Filles du Soleil, França/Bélgica/Geórgia/Suíça, 2018]
Exibido na principal competição de Cannes do ano passado, conta a história de Bahar, comandante de uma batalhão de mulheres. Ela quer liberar uma cidade do Curdistão controlada por extremistas e encontrar seu filho, que é mantido refém. Dirigido por Eva Husson, tem Golshifteh Farahani e Emmanuelle Bercot no elenco.


“Finalmente Livres” – [En Liberté, França, 2018]
A joven inspetora Yvonne descobre que seu marido, o capitão Santi, herói local morto em combate, não era o policial corajoso e íntegro que ela pensava. Determinada a reparar os erros cometidos por ele, Yvonne cruza o caminho de Antoine, injustamente preso por Santi. Estrelado por Adèle Haenel e dirigido por Pierre Salvadori.


“Inocência Roubada” – [Les Chatouilles, França, 2018]
Aos oito anos, Odette gostava de pintar e desenhar. Eventualmente, também brincava com os adultos, e por isso não suspeitou de uma “guerra de cócegas” com um amigo de seus pais. Anos depois, Odette entende que foi vítima de abuso, e conta com a dança para lidar com o trauma. Inspirado na peça de Andréa Bescond, que estrela o filme e também assina roteiro e direção ao lado de Eric Métayer.


“Meu Bebê” – [Mon Bébé, França/Bélgica, 2019]
Héloïse é mãe de três filhos e Jade, sua “caçulinha”, é a última a sair de casa: em breve, ela irá estudar no Canadá. Neste fim de ciclo, Héloïse se lembra dos momentos que as duas viveram juntas. Estrelado por Sandrine Kiberlain e Thaïs Alessandrin, que é filha da diretora e roteirista Lisa Azuelos.


Luísa Pécora é jornalista, criadora e editora do Mulher no Cinema

Deixe um comentário

Top