Renée Nader Messora: “Cannes se interessou pelo Brasil que o Brasil nega”

Um filme protagonizado por índios e codirigido por uma mulher é um dos títulos brasileiros que foram selecionados para a edição deste ano do Festival de CannesChuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, faz sua estreia mundial nesta quarta-feira (16) na mostra Um Certo Olhar, que tem Benício del Toro como presidente do júri.

“O aspecto político da ida do filme para Cannes é maravilhoso”, afirmou a diretora, em entrevista por telefone ao Mulher no Cinema. “Mais do que um filme brasileiro, este é um filme indígena – porque é um outro Brasil, uma língua que o Brasil sequer reconhece. Acho que o Festival de Cannes se interessar por um Brasil que o próprio Brasil nega é incrível.”

Guia de Cannes: Veja os filmes dirigidos por mulheres que estão no festival
Vídeo: 
Veja o discurso de Agnès Varda e Cate Blanchett em Cannes – com tradução
Leia também:
Conheça os filmes dirigidos por mulheres que já disputaram a Palma de Ouro
Saiba mais: Veja todas as mulheres que já presidiram o júri de Cannes

Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos foi rodado ao longo de nove meses na aldeia Pedra Branca (Terra Indígena Krahô, no Tocantins) e conta a história de Ihjãc, jovem que foge para a cidade para escapar do feitiço de um pajé. Defini-lo como documentário ou ficção é algo que a própria diretora não faz: “A gente não inventou nada do que filmou, mas as coisas não aconteceram exatamente da maneira como a gente filmou”, explicou.

Este é o primeiro longa de Messora como diretora, mas a relação com o povo Krahô é antiga. Depois de uma primeira visita à aldeia em 2009, acompanhando a filmagem de um amigo, ela passou a fazer diversos projetos com a comunidade. Hoje, participa da mobilização do coletivo Mentuwajê Guardiões da Cultura, que reúne cinegrafistas e fotógrafos indígenas e busca usar o audiovisual como instrumento para a autodeterminação e o fortalecimento da identidade cultural dos índios.

Leia os principais trechos da entrevista:

*

Renée Nader Messora, codiretora de
“Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos”

Qual a expectativa para as exibições do filme em Cannes?
Ai, não sei [risos] Acho que o que mais vale a pena falar é que a gente está aqui, o Ihjãc e o Kôtô [protagonistas do filme] estão aqui, e acho que na história do Festival de Cannes isso é uma revolução por si só. Mais do que um filme brasileiro, este é um filme indígena – porque é um outro Brasil, é uma língua que o Brasil sequer reconhece. Acho que o Festival de Cannes se interessar por um Brasil que o próprio Brasil nega é incrível. O aspecto político da ida do filme para Cannes é maravilhoso, ainda mais neste momento tenebroso que estamos vivendo no País. As demandas indígenas são as que me tocam, e acho incrível termos chegado tão longe com o filme. Agora vamos ver como vai ser a recepção.

Você tem uma relação antiga com a comunidade Krahô. O que você viu ou viveu na aldeia que fez com que se envolvesse tanto?
A primeira viagem foi em uma aldeia a uns 70 km da estrada principal. Para mim, que sou de São Paulo e me criei no meio dos prédios, era como se fossem 700 km, porque era uma estrada muito ruim, uma viagem longa numa caçamba, chacoalhando, no sol. Nos primeiros três dias na aldeia nem consegui tirar minha câmera da mochila. Não tinha coragem, me sentia realmente uma invasora, um corpo estranho. Devagar fomos nos acostumando, e os índios também foram se acostumando com a nossa presença. Tínhamos levado um gerador e um projetor e passamos um filme, acho que do Charles Chaplin. A criançada ficou alucinada: eles sentaram em frente ao projetor e ficamos quase a madrugada inteira passando um filme atrás do outro. Só paramos quando acabou a gasolina do gerador. Aquilo foi muito forte. A gente ama o cinema e sabe o poder que ele tem. Então não sei, alguma coisa aconteceu ali.

Como você e João Salaviza chegaram ao Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos?
Foi um processo bem longo. Depois da filmagem de Montanha [primeiro longa de Salaviza, no qual René foi assistente de direção], João e eu estávamos esgotados. Eu estava voltando para a aldeia, e ele falou que queria ir comigo. Já tinha contado bastante, mostrado imagens e coisas que foram instigando a curiosidade. Então quando acabou o Montanha ele foi para lá e começaram a surgir os primeiros indícios de que a gente faria um filme. Nos meus trabalhos de oficina, tínhamos organizado um grupo com cinegrafista indígenas, e um dos meninos deste grupo tinha passado por uma história muito louca. Ele começou a se sentir fraco, assustado, e descobriu que um pajé tinha jogado um feitiço nele. Se ficasse na aldeia, achava que ia morrer, então fugiu para a cidade. [Este caso] foi o disparador. A partir daí fomos organizando nossos encontros na aldeia, a realidade que ia acontecendo com a gente, as coisas que escutávamos…durante dois anos isso foi ganhando consistência até chegarmos na ideia mais concreta do filme.

E é um documentário ou uma ficção?
Falo do Chuva assim: a gente não inventou nada do que filmou, mas as coisas não aconteceram exatamente da maneira como a gente filmou. O filme se permite ir pelos dois caminhos. Às vezes vai ter mise-en-scène clássica e cenas super decupadas, com plano, contraplano, diálogo, tudo bonitinho; e às vezes, principalmente nas cenas de rituais, a câmera se perde no meio da comunidade e caminha como se fosse um espírito Krahô. Não sei o que o Chuva é. O Chuva é um filme.

Há um fortalecimento do debate sobre a representatividade no cinema, principalmente no caso das mulheres e dos negros, mas muitas vezes essa discussão parece não chegar aos índios…
[Interrompendo] Não, não chega, e isso é transversal: à direita e à esquerda. Tenho essa discussão com pessoas até muito próximas, que falam: “Ah, mas poxa, a gente ter que lutar, o Lula está preso.” E eu falo: “Ok, o Lula está preso. Mas ninguém nunca nem se lembra de citar os indígenas.” É impressionante, O movimento negro aflorou com uma força incrível, o movimento feminista também, e acho tudo isso incrível. Mas ninguém se lembra de falar dos indígenas. Tenho alguma expectativa de que com a Sônia Guajajara concorrendo como vice-presidente [na chapa de Guilherme Boulos, no PSOL] isso possa mudar um pouco. Mas o índio é esquecido por todo mundo.

Imagem do filme “Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos”

O Mulher no Cinema também fala pouco sobre realizadoras indígenas. O que você pode contar sobre esse assunto? Nas oficinas que você faz, percebe interesse das mulheres pelo cinema?
Posso falar da minha experiência pessoal, porque não conheço outros contextos. Se eu tiver que citar [realizadoras indígenas mulheres], só consigo citar a Patrícia [Ferreira Keretxu]. Na primeira oficina que fiz na Pedra Branca, metade do grupo era de mulheres, o que foi inclusive uma condição. Foram muitos trabalhos com o mesmo grupo, e cada vez tinha menos mulheres. O que acontece? Estas meninas ficam grávidas muito cedo, viram mães muito cedo. E é ok, é o jeito deles, mas é difícil dar continuidade ao trabalho. Por outro lado, uma das meninas, realizadora indígena na Pedra Branca, ganhou um prêmio pelo melhor filme de um minuto em todo o Tocantins. Então você tem as duas coisas: aquilo que eu, branca, vou chamar de limitação, porque na minha concepção de mundo uma menina de 15 anos não deveria ter um filho; mas também há essas meninas super capazes, super criativas, fazendo coisas incríveis e melhor do que os meninos. Elas querem aprender, só que existe o dia a dia da comunidade e o jeito de fazer as coisas, que é muito anterior a nós.

Qual o maior aprendizado neste primeiro longa-metragem como diretora?
Filmamos durante nove meses, seguindo o ritmo da aldeia, e acho que o que mais aprendi foi a respeitar o tempo das coisas. O Krahô diz que o branco perdeu a paciência do mundo, e acho que aprendi um pouquinho essa paciência do mundo: esperar as coisas e saber que aquilo talvez não comece quando você acha que deve começar e talvez não acabe quando você acha que deve acabar. Você não pode controlar as coisas, e as coisas têm a importância que você dá para elas. Na aldeia, nosso filme era tão importante quanto lavar roupa, ir colher mandioca ou fazer reunião no pátio. Nosso filme não era importante para ninguém, e a gente aprendeu isso também: que o filme não era importante. O importante era justamente estar ali, 100% presente, vivendo aqueles dias com aquelas pessoas e tentando contribuir de alguma forma.

Que conselho você daria para as mulheres que querem ser diretoras?
Trabalhem com mais mulheres. Infelizmente o cinema é um meio super machista, a fotografia é pior ainda, e temos que dar a mão e ir junto. É o único jeito. Vamos ter de nos impor e não esperar que alguém ajude a gente. Temos que nos ajudar, ir pra frente juntas. Sempre que posso tento trabalhar com mulheres, chamar outras mulheres. A gente tem que ir puxando uma pela outra, para ir todo mundo junto. Se não, não vai ninguém.

*

Veja uma cena de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos:


Luísa Pécora é jornalista e criadora do Mulher no Cinema.

Deixe um comentário

Top