Bette Gordon fala sobre “Variety” e desigualdade “abominável” na direção

Não é difícil entender porque Variety, o segundo longa-metragem da cineasta americana Bette Gordon, tornou-se um marco do cinema feminista quando chegou às telas, em 1983. Ao contar a história de Christine, funcionária de uma sala pornô que passa a seguir e observar um cliente de forma obsessiva, o filme ofereceu algo inovador: o ponto de vista de uma mulher

Mostra de Cinema de SP exibe três filmes da diretora americana Bette Gordon

Importante nome do cinema independente, a diretora americana Bette Gordon ganhou uma miniretrospectiva na edição deste ano da Mostra Internacional de Cinema em São Paulo. O festival, que fica em cartaz até 2 de novembro, exibirá três filmes da cineasta, que também fará parte do júri. Mais sobre a Mostra: Veja todos os filmes dirigidos por mulheres que estão na programação Nascida em

Top