#52FilmsByWomen de outubro: Niki Caro, Isabel Coixet, Eliane Caffé, Cate Shortland, Andrea Arnold

Estes foram os filmes vistos em outubro como parte da campanha #52FilmsByWomen: O Zoológico de Varsóvia (2017), da neozelandesa Niki Caro - Este é o sexto longa-metragem da diretora, que tem dois projetos em pré-produção no momento: uma versão live-action de Mulan e um filme sobre Maria Callas (com esse pôster belíssimo da atriz Noomi Rapace no papel). O filme tem como

#52FilmsByWomen de setembro: Ana Maria Hermida, Claudia Pinto Emperador, Lucy Mulloy, Hagar Ben-Asher

No mês de setembro da campanha #52FilmsByWomen, vimos dois filmes que abordam a questão da morte e do luto e dois filmes que tratam mais da relação das mulheres com a violência e com o próprio corpo. La Luciérnaga (ou The Firefly, em inglês) é um filme de 2013 da colombiana Ana Maria Hermida, que confesso só ter descoberto porque está no catálogo

#52FilmsByWomen de agosto: Sydney Freeland, Shefali Bhushan, Elite Zexer, Leyla Bouzid

Dos quatro filmes dirigidos por mulheres vistos em agosto, coincidiu que três deles mostram a mãe como uma figura extremamente forte e essencial no rumo da vida das personagens principais. Também por coincidência, escolhi três filmes que são os primeiros dessas cineastas. Iniciamos esse sexto mês da campanha #52FilmsByWomen com Deidra & Laney Rob a Train (2017), segundo longa da cineasta trans Sydney Freeland,

#52FilmsByWomen de julho: Julie Dash, Amma Asante, Gina Prince-Bythewood, Ava DuVernay, Mati Diop

Eu não sou negra. Logo, os cinco filmes dirigidos por mulheres negras vistos no mês de julho para a campanha #52FilmsByWomen provavelmente não me atingiram da mesma forma que atingirão as mulheres que são negras. Os temas tratados podem ser universais - relacionamentos, morte, traição, amizade feminina -, mas sei que não vivi aquilo exatamente. O que não me impede de sentir

#52FilmsByWomen de junho: Marcia Tambutti Allende, Taryn Brumfitt, Anita Leandro, Mary Mazzio

Esse quarto mês da campanha #52FilmsByWomen foi dedicado ao documentário, gênero que para mim está se tornando cada vez mais acessível (menos entediante, eu diria). Vi filmes feitos por uma chilena, uma australiana, uma brasileira e uma norte-americana. Não sei se é uma impressão apenas minha, a partir dos filmes que ando vendo, mas sinto que as mulheres documentaristas mexem com

#52FilmsByWomen de maio: Teresa Villaverde, Anocha Suwichakornpong, Moufida Tlatli, Mia Hansen-Løve, Joanna Coates

Maio foi um mês imenso, que só acabou agora, quando o Festival de Cannes enfim concedeu o prêmio de direção a uma mulher, após 56 anos: Sofia Coppola ganhou por O Estranho que Nós Amamos, um dos filmes que mais quero ver nesse ano. Maio também foi o mês em que adicionamos cinco filmes feitos por diretoras à campanha #52FilmsByWomen. O primeiro visto

#52FilmsByWomen – abril: Ildikó Enyedi, Paz Fábrega, Paula Sacchetta, Khadija al-Salami

Ao aderir à campanha #52FilmsByWomen, tive a ideia de buscar filmes dirigidos por mulheres que estivessem mais distantes da cinematografia com a qual estou mais acostumada. Quero fugir um pouco do cinema americano ou francês, por exemplo, para conhecer outras culturas e diferentes visões. Em fevereiro deste ano, a diretora húngara Ildikó Enyedi venceu o Urso de Ouro, principal prêmio do Festival de Berlim,

Top