Agnès Varda e Cate Blanchett lideram protesto em Cannes

Oitenta e duas mulheres fizeram um protesto contra a desigualdade de gênero no Festival de Cannes neste sábado (12). A presidente do júri, Cate Blanchett, e a diretora Agnès Varda, lideraram o grupo, que se posicionou nos degraus que levam ao Théâtre Debussy, simbolizando as dificuldades das mulheres em progredir na carreira cinematográfica.

Saiba mais: Leia o discurso de Agnès Varda e Cate Blanchett – na íntegra e em português
Guia de Cannes: 
Veja os filmes dirigidos por mulheres que estão no festival
Leia também: Veja todas as mulheres que já presidiram o júri de Cannes

O número de manifestantes não é aleatório: desde a primeira edição de Cannes, apenas 82 filmes dirigidos por mulheres foram selecionados para a competição principal, conta 1.645 filmes dirigidos por homens. O protesto deste sábado aconteceu pouco antes da exibição de Les Filles du Soleil, da francesa Eva Husson, um dos três longas de diretoras entre os 21 títulos que competem pela Palma de Ouro este ano.

Durante o protesto, Varda e Blanchett leram um comunicado – a diretora belga falou em francês e a atriz australiana, em inglês – no qual defenderam a importância da paridade salarial e de “ambientes de trabalho diversos e igualitários que possam refletir melhor o mundo em que vivemos”.

Assista ao discurso abaixo e leia a tradução na íntegra:

“As mulheres não são minoria no mundo, mas o estado atual da nossa indústria diz o contrário. Como mulheres, cada uma de nós enfrenta desafios próprios e únicos, mas estamos juntas nestes degraus para simbolizar nossa determinação e compromisso com o progresso. Somos roteiristas, produtoras, diretoras, atrizes, diretoras de fotografia, agentes, montadoras, distribuidoras, agentes de vendas e todas as envolvidas nas artes cinematográficas. Estamos em solidariedade com mulheres de todas as indústrias”, disse o comunicado.

Além de Blanchett e Varda, participaram do protesto atrizes como Kristen Stewart, Jane Fonda, Marion Cotillard e Salma Hayek, diretoras como Patty Jenkins, Ava DuVernay e Haifaa Al Mansour, agentes como Hylda Queally e Maha Dakhil, entre outras mulheres (veja a lista completa de profissionais que assinaram o manifesto).

O protesto foi organizado pelo grupo 50/50 by 2020, que busca paridade de gênero no cinema da França, em parceria com o Sindicato dos Diretores do país. O próprio Festival de Cannes foi envolvido por questões logísticas, como o uso dos carros que levarão às mulheres ao tapete vermelho.

Na segunda-feira (14), as mulheres planejam uma nova ação: pedir que o diretor artístico do festival, Thierry Frémaux, e os diretores artísticos da Quinzena dos Realizadores e da Semana da Crítica assinem um documento no qual manifestem um compromisso em buscar paridade de gênero e inclusão.


 

Deixe um comentário

Top