Mulher no Cinema

Online e gratuito, FIM homenageia Grace Passô, Claire Denis e Clarice Lispector

Uma homenagem à atriz, diretora e roteirista brasileira Grace Passô e uma masterclass da diretora e roteirista francesa Claire Denis estão entre os destaques da 2ª edição do FIM – Festival Internacional de Mulheres no Cinema, que ocorre de 10 a 17 de novembro. Por causa da pandemia do novo coronavírus (Covid-19), desta vez o festival é realizado em formato online e com sessões gratuitas pela plataforma Innsaei.

Entrevista: “Produção negra é um farol para a arte brasileira”, diz Grace Passô
Leia também: Dominga Sotomayor fala sobre Tarde para Morrer Jovem

Como parte da homenagem à Grace Passô, a programação inclui dois filmes que ela dirigiu: o curta República (2020), filmado durante a quarentena; e o média-metragem Vaga Carne, uma parceria com Ricardo Alves Jr. Também será exibido Sem Asas, de Renata Martins, ganhador do Grande Prêmio do Cinema Brasileiro na categoria de melhor curta-metragem de ficção, no qual Passô trabalha como atriz.

A masterclass de Claire Denis foi gravada direto da casa da cineasta em Paris, numa conversa via Zoom mediada por Robert Milazzo, da Modern School of Film de Nova York. Além da masterclass, o FIM também exibirá dois filmes de Denis: 35 Doses de Rum (2008) e Deixe a Luz do Sol Entrar (2017).

A diretora francesa Claire Denis no set de “Deixa a Luz do Sol Entrar”

O FIM também faz um tributo ao centenário de nascimento da escritora brasileira Clarice Lispector (1920-1977), com a exibição de dois filmes inspirados em sua obra. Para abrir o festival, o escolhido foi A Hora da Estrela (1985), escrito e dirigido por Suzana Amaral, que morreu em junho; enquanto o longa de encerramento será O Livro dos Prazeres (2020), de Marcela Lordy. 

Considerando todas as mostras do festival, 45% dos filmes selecionados são dirigidos ou codirigidos por mulheres negras. A competitiva nacional exibe os longas A Mulher de Luz Própria, de Sinai Sganzerla; Aos Olhos de Ernesto, de Ana Luiza Azevedo; Até o Fim, de Glenda Nicácio e Ary Rosa; Hilda Hilst Pede Contato, de Gabriela Greeb; Meio Irmão, de Eliane Coster; Meu Sangue é Vermelho, de Graciela Guarani e Tiago Dezan; e Um dia com Jerusa, de Viviane Ferreira. 

Para a mostra internacional, foram selecionados Elliot Erwitt – O Silêncio Cai Bem, da espanhola Adriana Lopez Sanfeliu; Jinn, da americana Nijla Mu’min; Silvia, da argentina María Silvia Esteve; Tarde para Morrer Jovem, da chilena Dominga Sotomayor; e Abra a Voz, da francesa Amandine Gay, que também participa de debate online com as cineastas brasileiras Roberta Estrela D’alva e Viviane Ferreira.

A programação ainda inclui cursos, debates e outros eventos. Para mais informações, acesse o site do FIM.